Carta aberta ao Primeiro-Ministro de Portugal, aeroporto de Beja

Nelson Brito - 23/02/2017 - 09:48

Carta aberta ao Primeiro-Ministro de Portugal, aeroporto de Beja

Exmo. Sr. Primeiro-Ministro de Portugal,

Dr. António Costa,

O Governo de Portugal e a ANA - Aeroportos de Portugal assinaram recentemente um memorando de entendimento com o objetivo de "estudar aprofundadamente" a solução de um aeroporto complementar no Montijo para aumentar a capacidade do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa.

Enquanto Presidente de Câmara Municipal de Aljustrel, baixo alentejano e cidadão português, a possibilidade da construção de um aeroporto complementar no Montijo levanta-me sérias reservas.

Considerando que a infraestruturação do Aeroporto de Beja está concluída e que este tem perfil idêntico ao projeto do Montijo, qual será o custo da construção/adaptação de um novo aeroporto?

Sabendo-se que para potenciar o aeroporto de Beja é necessário investir em acessibilidades rodoviárias e ferroviárias complementares (há muito prometidas), não é verdade que essa é igualmente uma indispensabilidade que se coloca na opção Montijo?

A viabilização do Aeroporto de Beja não seria uma excelente forma das políticas de valorização do interior passarem, finalmente, do papel para o terreno, dando sequência ao recentemente aprovado Programa Nacional para a Coesão Territorial?

Exmo. Primeiro-Ministro, bem sei que as vozes que lhe chegam em defesa do Aeroporto de Beja são poucas e nada sonoras. À exceção das oportunas e sistemáticas intervenções do meu colega do concelho vizinho de Ferreira do Alentejo, Dr. Aníbal Costa, poucos têm sido os que, com responsabilidades no território, têm sabido cumprir devidamente os seus deveres.

Exmo., peço-lhe, não deixe que estes silêncios institucionais abafem as vozes dos baixo alentejanos que, há demasiado tempo, clamam por igualdade de oportunidades, justiça e desenvolvimento. No Baixo Alentejo, somos tão portugueses como os habitantes de Lisboa, do Porto, de Faro ou do Montijo.

Que o Aeroporto de Beja seja causa e efeito do desenvolvimento sustentável do Baixo Alentejo. Causa, porque, sem qualquer sombra de dúvidas, se trata de uma infraestrutura fundamental que permitiria aproximar mais o Alentejo e Portugal do Mundo. Efeito, porque existem dinâmicas socioeconómicas em crescendo na nossa região que justificam a viabilização desta infraestrutura, tais como a agricultura, a agroindústria e o turismo.

Cumpra-se, pois, o Aeroporto de Beja. Concretizem-se as ligações rodoviárias e ferroviárias indispensáveis entre a capital do distrito e o resto do país. Faça-se justiça e implemente-se uma verdadeira “Agenda para o Interior” que, finalmente, nos torne a todos portugueses de primeira.

Contamos com o Primeiro-Ministro e o seu Governo para que assim seja.

Com os melhores cumprimentos,

O Presidente da Câmara Municipal de Aljustrel

(Nelson Brito)

Audio Player

COMENTE ESTE ARTIGO