Agricultores exigem medidas para minimização do impacto da seca

A FAABA – Federação das Associações de Agricultores do Baixo Alentejo, enviou uma carta ao Ministro da Agricultura alertando para os problemas da seca.

A Federação considera necessária a “implementação de medidas imediatas, de modo a contrariar os impactos negativos da seca prolongada que já se estão a fazer sentir por todo o Alentejo”.

De acordo com a Federação, “os prejuízos ao nível das culturas de sequeiro, como os cereais, as oleaginosas, as pastagens e forragens e ao esgotamento das reservas hídricas, quer para abeberamento dos efectivos pecuários, quer para o regadio, são visíveis e muito preocupantes”.

A FAABA reclama a criação e flexibilização das medidas de apoio para abeberamento dos animais; a permissão para pastorear, de imediato, pousios e superfícies de interesse ecológico e a antecipação dos pagamentos aos agricultores no âmbito da PAC, como forma de acudir à tesouraria das explorações.

A Federação defende ainda a implementação do “programa de transferências de água da Albufeira de Alqueva/Alvito para Odivelas que foi acordado entre a EDIA e a ABORO para 2017, que não está a ser cumprido” e o ajuste do preço da água aos perímetros de rega confinantes com Alqueva.

A FAABA manifesta “inteira disponibilidade” ao Ministro da Agricultura para integrar a Comissão de Acompanhamento da Seca.