Associação Rota Vicentina preocupada com futuro da costa sudoeste

A Associação exige a  intervenção urgente do governo relativamente às ameaças da prospecção e exploração de hidrocarbonetos e da agricultura intensiva na costa alentejana e vicentina.

O Manifesto pela Suspensão Imediata dos Contratos de Prospecção e Exploração de Hidrocarbonetos até que sejam dados os devidos esclarecimentos públicos foi subscrito por 25 membros do Conselho. Neste momento estão por esclarecer questões importantes para a região e para o país, realça Marta Cabral, presidente da Associação Rota Vicentina.

O Manifesto por uma posição governamental face às Dificuldades de Compatibilização entre Agricultura Intensiva e Valorização dos Recursos Endógenos da Costa Sudoeste tem 23 subscritores. Marta Cabral alerta que há aspectos que devem ser repensados para a “compatibilização de interesses”.

O Conselho Geral da Rota Vicentina é constituído por 38 entidades públicas e privadas.