Autarcas comunistas saem em defesa das acessibilidades e cuidados de saúde

Os 14 presidentes das Câmaras comunistas do Alentejo subscrevem um documento onde exigem a melhoria das acessibilidades e dos cuidados de saúde.

Os autarcas querem “investimentos na rede ferroviária e material circulante de passageiros e mercadorias, aumentando a cadência e qualidade do serviço público, a reposição do comboio regional, assegurando a natureza pública da infraestrutura e exploração da rede ferroviária”.

Por outro lado, reclamam a “abertura sem portagens do troço já finalizado do designado IP8/A26 e a finalização das obras interrompidas pelo governo PSD/CDS ligando todo o traçado previsto inicialmente, bem como a finalização do IP2, e uma reparação geral das estradas nacionais que atravessam o Alentejo, e a cargo das Infraestruturas de Portugal”.

Os subscritores da declaração exigem a inclusão no PNPOT e no PNI 2030 de projectos como a electrificação e modernização da ferrovia bem como a concretização do prolongamento até Ficalho do IP8 em perfil de auto-estrada, explica João Português, presidente da Câmara de Cuba.

Os presidentes das Câmaras CDU no Alentejo, exigem também “o urgente lançamento da construção do Hospital Central Regional do Alentejo, a reversão para o sector público administrativo (SPA) do Hospital de Serpa, bem como a melhoria do serviço nacional de saúde nas unidades hospitalares nas 4 sub-regiões, o reforço de médicos, enfermeiros, e outros técnicos de saúde e assistentes técnicos e operacionais”.

O documento é subscrito pelos presidentes das Câmaras CDU de Alvito, Cuba, Vidigueira e Serpa, no Baixo Alentejo.