Bloco defende “acções de protesto a sério” contra a CP e o governo

O Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda questionou o Ministério do Planeamento e das Infraestruturas, sobre o incidente ocorrido na linha Ferroviária do Alentejo a 3 de Agosto. A automotora que fazia a ligação Casa Branca – Beja avariou, deixando os passageiros sem luz e ventilação no interior.

As condições tornaram-se insuportáveis, tendo havido passageiros que começaram a sentir-se indispostos, até que as portas foram abertas.

Alguns fizeram o percurso a pé até à estação de Vila Nova da Baronia.

O BE considera que “é imperativo que a CP providencie esclarecimentos sobre o que se passou no dia 3 de Agosto, não só com a avaria como também na falta de capacidade de acompanhar e esclarecer os passageiros”.

Para o Bloco é também “fundamental que haja investimento na linha do Alentejo, como esta situação deixa bem claro, pelo que urge saber quando este vai ocorrer”.

O BE quer saber se o Governo tem conhecimento desta situação e se está disponível para dar instruções estritas à CP para indemnizar todos os utentes da linha do Alentejo do dia 3 de Agosto, devolvendo integralmente o valor dos bilhetes vendidos.

Por outro lado, pretende apurar porque foi o apoio aos passageiros tão demorado e ineficaz por parte da CP.

Entre outras questões, o Bloco quer saber quando é que o Governo se compromete a repor o cumprimento dos horários da CP que estão anunciados e que que medidas “urgentes e inadiáveis” vão ser implementadas para requalificar a linha do Alentejo bem como o material circulante utilizado.

Alberto Matos, coordenador do Bloco de Esquerda em Beja considera “inacreditável” o que se passou no dia 3. Em seu entender é preciso dizer “basta”, acabar com “cantigas” e avançar com “acções de protesto a sério”.