Bombeiros do distrito sentem-se “desrespeitados” pelas entidades de saúde

A Federação dos Bombeiros do distrito de Beja vem em comunicado mostrar a sua “tomada de posição” face à pandemia da Covid-19.

No documento enviado à Rádio Pax, os Bombeiros acusam as “entidades de saúde” de terem uma “postura de total desconsideração, desinformação e desrespeito pelo principal agente de proteção civil: os Bombeiros”.

A Federação diz que a ANEPC- Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil tem tido um “papel de pura inação”, (…) onde “todos os problemas e preocupações ficam sem resposta (…)”.

Os Bombeiros do distrito de Beja referem não ter “recebido um único EPI- Equipamento de Proteção Individual, via INEM, e questionam-se como “é que com a atribuição do valor de dois euros para consumíveis, é possível adquirir dois EPI completos para os tripulantes, mais duas máscaras a atribuir ao doente e respetivo acompanhante, sem contar com todos os consumíveis necessários para o cumprimento dos protocolos de avaliação, de prestação de primeiros socorros e terapia durante o transporte”.

No comunicado enviado à Rádio Pax, a Federação refere também que a Secretaria de Estado do Ministério da Administração Interna vai entregar 80 mil máscaras aos bombeiros e 118 mil à PSP e GNR (…)”.

Até ao momento, “apenas foram entregues para todo o distrito 330 batas, 560 máscaras, quatro batas, seis óculos, dez máscaras e dez pares de luvas, entregues a cada Corpo de Bombeiros no dia 5 de Março”.

Os Bombeiros dizem ainda que “o distrito responde mensalmente a mais de 2 mil serviços de âmbito pré-hospitalar (…) o equipamento distribuído, para além de não observar toda a composição de um EPI completo, garante menos de uma semana de serviços”.

O documento é assinado pelos comandantes dos Corpos de Bombeiros de Beja, Odemira, Moura, Aljustrel, Alvito, Cuba, Ferreira do Alentejo, Mértola, Almodôvar, Ourique, Serpa, Castro Verde, Vidigueira e Vila Nova de Milfontes.