D. Leonor de Lencastre é rainha na Santa Casa da Misericórdia de Beja

A Santa Cada da Misericórdia de Beja(SCMB) realiza esta sexta-feira uma iniciativa sobre “D. Leonor de Lencastre: berço da misericórdia, poder, cultura e religiosidade no final da Idade Média. A sessão acontece no âmbito das comemorações dos 519 anos da Santa Casa.
Com início marcado para as 21:00 horas nas instalações da SCMB,  a sessão conta com a intervenção de dois historiadores de renome.
O historiador Florival Baioa vai falar sobre “Dona Brites: Infanta de Portugal, Duquesa de Beja”. Esta primeira sessão tem início previsto para as 21:05 horas.
 “D. Leonor de Lencastre e o berço da Misericórdia: mulheres, poder, cultura e religiosidade no final da Idade Média” é o tema da segunda intervenção assinada pela historiadora Joana Melo.
“A fundação da Santa Casa da Misericórdia de Beja insere-se no contexto da criação das Misericórdias portuguesas pela Rainha D. Leonor, nascida em Beja, instigada pelo seu confessor frei Miguel de Contreiras e na sua consequente multiplicação pelo reino durante a primeira metade do séc. XVI. Podemos, por isso, afirmar que a Misericórdia de Beja é das mais antigas do País.

A irmandade da Misericórdia de Beja foi criada por carta régia do Rei D. Manuel I a 8 de Dezembro de 1500. Erigiu-se, por ainda não existir ainda edifício próprio na Igreja de Santa Maria da Feira.

Mais tarde a Santa Casa da Misericórdia de Beja mudou-se para a Igreja com o mesmo nome, sita na Praça da República, foi fundada e dotada pelo Infante D. Luiz, duque de Beja. Esta igreja tem uma história muito particular, pois foi construída para ser açougue municipal mas dotada de uma beleza fora do comum para a época decidiu D. Luiz que esta fosse então uma igreja como comprova a transcrição da carta abaixo:

“Juiz, vereadores, procurador, e procuradores da minha cidade de Beja. O Infante vos envia muito saudar. Eu mandei fazer a obra dos açougues d’essa cidade como vistes, a qual parece que quis Nosso Senhor que saísse ella tão lustrosa que fosse mal empregada em officio baixo, mas que se dedicasse a serviço seu, e se celebrassem missas e officios divinos n’ella, como é minha tenção que se faça, caso haver por bem que se mude ali a casa da confraria da Misericordia d’essa cidade: que certo parece logar muito próprio para ella, e que honrará e ennobrecerá muito essa cidade (…). Lisboa, 17 de Maio 1550”.

A História desta Santa Casa está intimamente ligada à história do Hospital Grande de Nossa Senhora da Piedade, instituído por D. Manuel I, ainda no reinado de D. João II, na altura Duque de Beja no ano de 1490.

A 3 de Dezembro de 1554 o Hospital Grande foi entregue à administração da Misericórdia visto não existirem receitas que fizessem face às grandes despesas com os doentes e peregrinos que este albergava.

O Hospital Grande de Nossa Senhora da Piedade deixou de receber doentes na década de 1970.

No presente a Misericórdia de Beja conta com um Centro Infantil com capacidade para 140 crianças dos 0 aos 6 anos.
Criou uma empresa de jardinagem – com a vertente de inserção – que está em franco desenvolvimento, com uma lista de clientes, privados e institucionais, bastante significativa.
Santa Casa da Misericórdia de Beja que está, neste momento, a desenvolver um projecto na área de saúde mental que conta com vários parceiros, nomeadamente o Serviço de Psiquiatria da ULSBA.
Para além destas valências, a SCMB desenvolve outras iniciativas de âmbito social.
“Voz Solidária” é uma linha telefónica de atendimento que tem o objectivo de “prestar assistência a todas as pessoas que se sentem sozinhas, necessitem de apoio ou apenas de conversar”. O atendimento deste serviço é assegurado, durante todo o ano e o apoio é prestado através da linha 800 224 133. A chamada é gratuita.
O apoio domiciliário direccionado aos idosos que vivem sozinhos e com pouca retaguarda familiar é outra das valências que a SCMB está a desenvolver. Neste projecto, uma equipa multidisciplinar de voluntários dedica “tempo” aos idosos que estão em casa, criando relações de proximidade de forma a promover o bem-estar e combater a solidão.
Na área da cultura, a Santa Casa da Misericórdia de Beja e a Direcção Regional de Cultura do Alentejo assinaram um protocolo de colaboração com vista à conservação, valorização e divulgação do antigo Hospital Grande de Nossa Senhora da Piedade, um monumento relevante do património cultural da cidade.