É preciso pensar o Alentejo como “espaço de oportunidades”

A região precisa de melhorar as acessibilidades por forma a potenciar os investimentos instalados e dar resposta à crescente mobilidade das populações. O país necessita de criar infra-estruturas de forma articulada.

Estas foram algumas das ideias deixadas, ontem, por vários especialistas, na apresentação e primeira sessão pública da “Plataforma Alentejo – Estratégia Integrada de Acessibilidade Sustentável do Alentejo nas ligações Nacionais e Internacionais”.

“Nós temos que pensar nesta região como um espaço de oportunidades (…) que tem activos extremamente importantes como o Aeroporto de Beja e Porto de Sines”, frisou Manuel Tão, professor e investigador da Universidade do Algarve, especialista no transporte ferroviário. Em seu entender, não é possível potenciar a área de influência destes equipamentos sem um “custo de acesso reduzido”.

Nos dias de hoje não interessam as distâncias físicas, mas sim o tempo necessário para as percorrer, alertou este especialista.

Nuno Marques da Costa, Geógrafo, Professor no Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa, realçou a crescente mobilidade e necessidade de transportes. A região Alentejo tem um papel importante nas ligações com o interior e com o exterior, na opinião deste especialista.

Élio Bernardino, Mestre em Estruturas, considera que “houve investimentos na ferrovia, pontuais, que não foram bem ponderados”. Em seu entender, o país tem que analisar o custo/benefício dos investimentos e perceber de que forma pode ser aumentada a competitividade das empresas e do território.

Filipe Pombeiro membro do secretariado “não quer deixar ninguém de fora” e assegura que esta Plataforma continua de portas abertas a novos subscritores.

A Plataforma defende a ligação Ferroviária Sines-Caia por Beja, a integração do Aeroporto Internacional do Alentejo/Beja como parte do sistema aeroportuário nacional, a electrificação e modernização da Linha Ferroviária e a conclusão das obras da A26 que liga a A2 ao Aeroporto Internacional do Alentejo/Beja, entre outras.