“Faltam apoios para o comércio” diz Confederação das Micro Empresas

A Confederação Portuguesa das Micros, Pequenas e Médias Empresas (CPPME) alerta para a falta de apoios para o comércio.

José Brinquete, Secretário- Geral da CPPME disse à Rádio Pax que “os fundos comunitários do Portugal 2020 estão direccionados fundamentalmente para as exportações”, no entanto, em Portugal das cerca de “um milhões e 200 mil empresas, apenas 20 mil exportam” os seus produtos.

De acordo com o secretário- geral, “em Beja existe apenas micro, pequenas e médias empresas, que trabalham sobretudo para o mercado interno nacional”. Em seu entender estas empresas “não têm apoios e deparam-se com muitas dificuldades no acesso aos fundos comunitários”.

José Brinquete explica que “o grande problema” é o facto do “governo e as autarquias favorecerem as grandes superfícies”. Em seu entender esse favorecimento “complica a vida ao comércio local dos centros históricos”, tal como acontece em Beja, “no que diz respeito aos acessos, à segurança e à modernização dos espaços”.

O Secretário- Geral da CPPME alerta o governo e as autarquias para que “dirijam meios e fundos necessários para a modernização dos espaços” comerciais situados nos centros históricos.

O Núcleo de Beja da Confederação Portuguesa das Micro, Pequenas e Médias Empresas visita, hoje, o Comércio Local da cidade, para contactar com o comércio, a restauração e os serviços da baixa de Beja, conhecer os seus principais problemas e divulgar as propostas da Confederação.