Governo quer retomar ligações directas a Lisboa em 2018

O ministro do Planeamento e das Infra-estruturas revelou que o Governo vai dar prioridade à aquisição de material circulante para as linhas do Alentejo, Oeste e Douro. O anuncio foi feito durante o debate na especialidade do Orçamento de Estado para 2018.

De acordo com o governante, Beja poderá beneficiar no próximo ano de uma ligação directa a Lisboa com recurso a comboios preparados para circular em toda a extensão da linha (não electrificada e electrificada).

O material “bi-modo” vai permitir  um“melhorar serviço” na linha do Alentejo, com “serviço continuo”, entre Beja e Lisboa, sem qualquer transbordo, revelou Pedro Marques.

 

Pedro do Carmo, Presidente da Federação do Baixo Alentejo do Partido Socialista e deputado eleito por Beja realça que este anuncio é o resultado de “meses de reuniões e contactos sem alaridos com o Ministério do Planeamento e das Infra-estruturas e com a CP”.

De acordo com o parlamentar, “o serviço ferroviário prestado é amplamente insatisfatório para as necessidades das populações do Baixo Alentejo, em resultado de 20 anos de desinvestimento e de abandono”.

Pedro do Carmo assegura que vai continuar a trabalhar com o Governo para que, no quadro da reprogramação do Portugal 2020, seja feita a electrificação da linha.

Para Pedro do Carmo “também na ferrovia, nem Roma e Pavia se fizeram num dia”.

Numa nota enviada às redacções, o presidente da Federação Socialista questiona: “se toda a gente sabe as circunstâncias actuais do estado do serviço e as condições necessárias para superar a situação resultante do desinvestimento de muitos anos, quais as razões da agitação actual quando o governo do PS apresenta um caminho para resolver a situação?”.

A resposta, acrescenta Pedro do Carmo, “pode estar nos silêncios comprometidos de anos ou na necessidade de agitação político-partidária quando se sabe que reverter a situação exige tempo para cumprir as etapas dos concursos públicos internacionais ou a oportunidade para renegociar o quadro comunitários de apoio”.

“Se as soluções fossem fáceis, já o PCP tinha colocado em cima da mesa como prioritária na negociação do Orçamento de Estado para 2018 propostas concretas orçamentadas e com menção de fonte de financiamento para resolver de hoje para amanhã, a situação do material circulante, da electrificação da linha e do reforço das condições de conforto dos utentes”, conclui.

 

Florival Baiôa, membro do Movimento “Beja Merece +” mostra-se satisfeito com o facto de serem retomadas as ligações directas Beja/Lisboa/Beja.

De acordo com o mesmo responsável, não deixa de ser necessária a electrificação da linha entre Casa Branca e a Funcheira.