Meios aéreos de combate a incêndio atrasados

Os meios aéreos de combate aos incêndios florestais tardam em chegar. Dos 38 aviões que deviam estar operacionais a partir de ontem, apenas 21 estão disponíveis.

Os restantes 17 esperam pelo visto do Tribunal de Contas ou foram os que ganharam o concurso que foi contestado pelas empresas concorrentes.

Na manhã de ontem estava prevista a chegada de helicópteros aos heliportos de Ourique e Moura, mas tal não aconteceu. As guarnições, os militares dos GIPS e os operacionais de rádio estavam no local, mas as aeronaves não chegaram.

Na Base Aérea  11, em Beja já estão estacionados há alguns dias dois aviões destinados ao combate dos incêndios.