Moura é um dos municípios contra a alteração da idade para assistir a touradas

Foto | Vítor Besugo
Foto | Vítor Besugo

Os municípios com atividade taurina manifestaram-se contra a alteração da idade para assistir a touradas, de 12 para 16 anos, com “profundo desagrado” em relação às “sucessivas e infundadas” tentativas políticas de “condicionar” aquela atividade.

Em comunicado, a Secção de Municípios com Atividade Tauromáquica da Associação Nacional de Municípios (ANMP) – da qual fazem parte as autarquias de Beja, Barrancos, Cuba e Moura – recorda que a tauromaquia é “reconhecidamente uma atividade cultural”, estabelecida na lei, como “parte integrante do património da cultura popular portuguesa”.

“Ao Estado”, recorda ainda a Seção, “compete promover” o livre acesso a toda e qualquer atividade cultural, “não impondo regras proibitivas” que “limitem” a liberdade de escolha dos cidadãos à fruição e criação cultural, “muito menos deliberar em função das vontades de uma pequena minoria” de cidadãos, permitindo a “imposição” de uma “ditadura de gostos” sobre a “vontade expressa” de uma “larga maioria” dos portugueses.

Deste modo, os municípios manifestam a “firme intenção” de garantir o “respeito” pelos direitos e liberdades das crianças e dos seus pais, pugnando “não só” pela manutenção da classificação etária da tauromaquia para maiores de 12 anos, mas também “reafirmando” que os menores são cidadãos de “pleno direito” em Portugal. Uma posição defendida, também, por Álvaro Azedo, presidente da Câmara de Moura.