Moura: Tio e sobrinhos vendiam droga na escola

Fábio Falé à frente e o tio, de 45 anos, atrás

Sete arguidos, cinco dos quais já se encontram em prisão preventiva, começaram esta segunda-feira a ser julgados no Tribunal de Beja, por desenvolverem uma rede de droga na cidade de Moura (Beja).
O grupo, com idades entre os 17 e 45 anos, dedicava-se à venda de estupefacientes junto às escolas da cidade, com entregas nas localidades de Amareleja, Sobral da Adiça e Santo Aleixo da Restauração.
O líder do grupo, Fábio Falé, tinha o irmão, de 17 anos e a companheira, que se encontra grávida, como colaboradores directos. O tio de Fábio, funcionário da Camara de Moura e elemento mais velho do gang, dedicava-se ao armazenamento da droga.
Os restantes três elementos, também residentes em Moura, estão acusados de tráfico de droga e detenção de armas proibidas.
O cérebro do grupo aproveitava o movimento do seu local de trabalho, um posto de abastecimento de combustível, para fornecer consumidores e revendedores.
Cerca de 40 testemunhas de acusação, que irão ser ouvidos nas próximas sessões, são menores de idade e estudantes, principal “público-alvo” do grupo.
O Núcleo de Investigação Criminal da GNR, que levou a cabo a investigação, quando da detenção, apreendeu cerca de 12.000 doses de haxixe, 69 doses de cocaína, dois quilos de liamba, plantas e sementes de canábis, duas armas de fogo, dois carros, cinco telemóveis e dois computadores.

Foto: Fábio Falé à frente e o tio, de 45 anos, atrás