Nuno Palma Ferro: Ovibeja e Comemorações do 25 de Abril juntos? Não. A história de uma terra que até a celebrar os cravos está condenada à ferradura

Sê bem-vinda de volta Ovibeja. Após dois anos de edição em formato digital, este fim de semana alargado, voltamos todos a sentir aquela agitação na cidade. Os olhos dos miúdos a brilhar, com muitos a ter as “primeiras noitadas”, os jovens a voltar a casa, os restaurantes e hotéis cheios, os cheiros característicos da feira. Este é o momento do ano em que o país vê o nosso orgulho em ser de Beja, e sentimos no seu expoente, tudo o que Beja pode ser.

Ligo as televisões e rádios nacionais e oiço o nome “Beja”, os meus filhos discutem quantos metros quadrados de chão existem disponíveis para trazer mais um de Lisboa, e que tem curiosidade de vir à feira. Há muitos anos que tenho a casa cheia, mas, desde que me lembro da Ovibeja, tenho a alma cheia.

Esta semana… todos se lembram de nós: o presidente da República, a ministra da agricultura e até a imprensa nacional. Esta semana, Beja é o ponto de referência e, portanto, seria óbvio (pelo menos para mim) que todos nós, em especial a classe política, estivéssemos dedicados em unirmo-nos à meritória organização deste evento para vendermos Beja, aquilo que deve ser, a capital da ruralidade e região de afirmação deste país.

Curiosamente, quis o calendário que a Ovibeja fosse coincidente com as afamadas e relevantes celebrações do 25 de Abril. Especialmente nesta altura, é tão importante fortalecer os valores de abril, celebrá-los e mostrar a estas gerações que tomam as suas liberdades por garantidas. Seria, portanto, normal (achei eu), que ao abrigo da ideologia de abril, uníssemos as festividades em algo ainda maior para promover a cidade, juntarmo-nos na feira que todos consideramos como nossa, e lá, festejarmos o 25 de Abril com a pompa e circunstância merecida. Pelos vistos NÃO, a Câmara Municipal de Beja, teve a iniciativa de organizar um conjunto de atividades nos dias 24 e 25 de Abril, num local e com uma programação diferentes, em diversos pontos da cidade. Num cartaz bastante apelativo, oferece a entrada gratuita aos bejenses.

Não querendo entrar em discussão sobre qual é melhor ou mais importante, deixo a questão: “Mas isto faz sentido a alguém?”. Não faria muito mais sentido juntarmos as comemorações do 25 de Abril e tentar junto da organização da Ovibeja promover estas festividades em conjunto? Será falta de espaço? Será falta de espaço para promoção política? Será só falta de interesse? Não seria de utilizar o dinheiro que se vai investir neste evento e a Câmara Municipal, finalmente promover um dia aberto aos cidadãos do concelho na feira?

Continuamos a dar tiros nos pés. Continuamos a vender-nos mal. Continuamos a não perceber o que a cidade precisa e o que os cidadãos querem. Numa cidade onde a oferta cultural já é curta, conseguimos criar competição ao evento que nos traz maior reconhecimento. Poderíamos dizer que às vezes é uma no cravo e outra na ferradura. Mas não. Nestas temáticas estamos condenados à ferradura.

Nós políticos, temos de fazer melhor.

Nuno Palma Ferro

Vereador Consigo Beja Consegue na Câmara Municipal de Beja