Opinião: Alfredo Lança Silva

Vivemos um período que podemos chamar de tempo novo.

Novo e original de todos desconhecido.

E não me refiro à pandemia mas sim às vivências sociais.

A única regra social em vigor cinge-se à norma jurídica.

Fruto da inteligência do legislador, que por ser inconstante, o que hoje é legal amanha é ilegal, esquece-se muitas vezes de regulamentar as normas, esquece-se de vírgulas e pontos finais e varias vezes o que escreve não era o que queria escrever, a letra da lei não corresponde ao espírito e como diz o povo a bota não joga com a perdigota.

Todas as restantes regras sociais, a que chamo o cimento social tornaram-se irrelevantes.

A imprensa em geral, com raras exceções, procura vender, seja a que preço for, a fronteira entre a verdade e a mentira deixou de existir, as pessoas são condenadas na praça pública e não nos tribunais, e assistimos a verdadeiros linchamentos sociais.

As chamadas redes sociais, que como instrumento social seria um ótimo meio, tornou-se uma fábrica de destilação de ódios.

Não é esta a sociedade, para os que viveram o período do estado novo, e que viram todo o esplendor da nova sociedade que o 25 de Abril prometia.

Alfredo Lança Silva

Economista e Advogado