Opinião: Jorge Pulido Valente

Entrámos no ano de eleições autárquicas e começa (para o bem e para o mal) a já esperada agitação: nomes, movimentações e manobras, espectativas, jogos e jogadas. Tudo, menos o que é mais importante: a discussão aberta e alargada das ideias, estratégias, cenários, objectivos, parcerias, projectos, perfis de liderança, competências, oportunidades, equipas, avaliação política e de resultados. Ora todo o processo de decisão é por aqui que devia começar, para depois se definir o universo e os critérios de escolha dos putativos candidatos e da constituição das equipas; realizarem-se debates abertos e, se necessário, primárias alargadas, bem como sondagens no caso de haver mais de que um candidato a candidato em condições de disputar as eleições.

Infelizmente o que prevalece hoje são ambições e agendas pessoais e perpetuação de pessoas ou equipas (sem que se faça uma avaliação do seu desempenho) apenas porque os próprios pretendem manter-se no poder, encapotados nos pretensos interesses das comunidades e partidários e nas manobras de poder(es) e jogos de influência, quando não de favores e dependências pessoais dos que precisam de alguma coisa ou simplesmente de estarem próximos do poder

Neste processo de nomeação e não de selecção de candidatos valem mais pretensos direitos adquiridos na sucessão ou na promoção (por exemplo de vereador a presidente ou de ascensão de lugar na lista), sem uma avaliação do desempenho (interno e externo), do que as competências políticas, técnicas e humanas para assegurar o sucesso do projecto político.
As decisões deveriam resultar de um processo de amplo envolvimento e debate, para além das fronteiras dos órgãos partidários e até dos próprios partidos, e não de manobras de um pequeno grupo em volta do poder, para servir interesses próprios e para se perpetuarem no poder, esquecendo que a prioridade deve ser a de escolher aqueles que melhores condições reúnem para servir o projecto político em benefício da comunidade.

Jorge Pulido Valente

Técnico Superior na Câmara Municipal de Mértola na área do Planeamento e Desenvolvimento