Opinião: José Damião

Cânhamo Industrial

Em Setembro a GNR de Beja anunciou o encerramento de uma exploração de canábis na Serra de Serpa com apreensão de cerca de 1000 plantas, de diverso material de transformação,produto já transformado e a detenção do responsável da exploração. Na operação intervieram várias viaturas e operacionais fizeram uma filmagem com “drone” e duas publicações nas redes sociais. Quem não conhece a realidade dos produtores de cânhamo industrial de Portugal pensa que este foi um excelente trabalho das autoridades, mas para quem conhece, lamenta a forma como os produtores de cânhamo industrial são tratados em Portugal.

O cânhamo industrial é utilizado para a produção de óleos essenciais e fibras naturais e em Portugal vários agricultores queixam-se há alguns anos de atrasos no licenciamento por parte da DGAV-Direção Geral da Alimentação e Veterinária, que é a entidade que deve certificar que as sementes utilizadas na plantação são de cânhamo e não de canábis.

Na Serra de Serpa, um dos locais com maiores constrangimentos climáticos a destilação de óleos essenciais é uma das produções que conseguem rentabilizar algumas explorações em modo de produção biológico. Foi com este espírito que Hugo Monteiro e Fátima Jacinto em consociação com outras culturas fizeram uma plantação de cânhamo industrial que devido a atrasos no licenciamento foram alvo da fiscalização das autoridades e posterior acusação de Hugo Monteiro de tráfico de estupefacientes.

Quem os conhece ficou estupefacto, sabemos que este casal vive de trabalho árduo no campo, que empregam eventualmente algumas pessoas da região e que são extremamente ativos na sociedade onde estão inseridos, criando inclusivamente uma cooperativa de produtores. Eu próprio já provei o seu açafrão, forneci estrume para as suas culturas de ervas aromáticas e participei na apresentação da sua exploração como sendo exemplar numa região altamente desfavorecida.

Como ambos escreveram no “Facebook”, numa publicação após a operação de fiscalização, “Fomos nós”, eu agora digo, “estamos convosco”.

José Damião

Vice-presidente da Comissão Politica Distrital do PSD

Rádio Pax · José Damião