Opinião: Laura Fernandes

Aproximando-se o dia 23 de julho, data do seu aniversário, partilho convosco parte da história de uma lisboeta, quase alentejana que tem feito a diferença em muitas vidas, de forma silenciosa e discreta.

Falo-vos de Maria Natália Saldanha Nunes, Irmã de Congregação das F.M.M.

Desde jovem tem desenvolvido várias missões com crianças e jovens deixando sempre a sua marca, que no fundo é marcar a vida de quem a rodeia.

Vive e espalha o Evangelho diariamente, com espírito de servir a causa, com amor incondicional a todos e a cada um. Tem dedicado a sua vida ao serviço dos outros, das crianças e jovens, hoje na sua maioria mulheres adultas que muito têm para agradecer-lhe; comparado com tudo o que tem feito ao longo da sua vida, agradecer é pouco, muito pouco.

Longe de protagonismos, mulher inteligente e extremamente culta, carácter genuíno, coração cheio de generosidade há muitos anos todos os dias, sem horários definidos, a sua rotina diária continua a ser dedicada às crianças e jovens acolhidas na Fundação e no Lar Girassol.

As filhas não lhe nasceram no ventre, mas acolheu e acolhe cada uma, como uma filha de verdade.

Muitos de nós que tivemos e temos o privilégio de privar consigo concordamos e reconhecemos que a Irmã Natália Saldanha tem dedicado grande parte da sua vida, de forma empenhada a projetos que visam o desenvolvimento integral da pessoa humana, e das populações procurando agir com critérios do Evangelho, competência de saberes e consciência ética.

A Irmã Natália é uma fazedora do bem, sempre com energia, não se cansa de fazer o bem, pois acredita que no tempo próprio, colheremos, se não desanimarmos.

E para quem não acredita em quem faz o bem e não olha a quem, hoje provo que existem, são raras e especiais estas pessoas, infelizmente passam, muito desapercebidas na nossa sociedade, na qual subsiste e se salienta a procura permanente de protagonismo, elevação de egos em nome da solidariedade, que por vezes e tendencialmente se confunde:

– Solidariedade e fazer o bem com obrigações e responsabilidades profissionais e ou politicas, um pormenor que faz a grande diferença.

No mês do seu aniversário, celebremos o dom da vida, agradecemos à Irmã Natália e a todas as Natálias que pouco falam, mas muito fazem e fazem BEM!

Assim, com estes bons exemplos, com pessoas como a Irmã Natália, que muito admiramos, se faz: a promoção dos Direitos Humanos, luta pela igualdade, combate-se discriminação, promove-se a inclusão, quebram-se ciclos problemáticos, promove-se o desenvolvimento pessoal, social e económico…uma mais valia e um contributo que nos eleva a todas e todos para uma sociedade mais justa e humana.

Obrigada Imã Natália Saldanha

Laura Fernandes

Presidente das mulheres socialistas do Baixo Alentejo