Opinião: Leonor D’argent

Cumprimento os ouvintes e colaboradores da Rádio Pax.
Aproximam-se as eleições autárquicas e, em Beja, assiste-se a um fenómeno verdadeiramente extraordinário.
O atual Presidente da Câmara Municipal apresenta-se a eleições com um discurso que reflete a ideia de que a cidade de Beja podia estar muito pior.
É claro para qualquer bejense que, desde há muitos anos, a cidade não é dinâmica, não promove a inovação e, consequentemente, muito dificilmente fixa empresas e pessoas.
E se se pode dizer que a cidade já esteve pior, a verdade é que para algumas gerações de bejenses, a cidade que hoje vemos não se compara a uma cidade vibrante, cheia de pessoas de todas as idades e das suas ideias e negócios, uma cidade em crescimento, que conheceram.
Para mim, e para a minha geração, essa cidade só existe na boca dos mais velhos. Tenho 23 anos e, desde que me lembro, Beja perde investimento e qualidade de vida. A cidade está, na melhor das hipóteses, estagnada, e ninguém parece ter tido, até agora, o ímpeto e a força de vontade para reverter esta situação.
Por isso, custa-me muito ouvir que a cidade poderia estar muito pior. Custa-me especialmente porque vejo que para muitos na minha geração, e até para alguns de gerações mais velhas, isso parece ser o suficiente para a satisfação com o trabalho dos que têm dirigido politicamente o nosso concelho. A estagnação não pode ser suficiente. É preciso que os bejenses reflitam sobre aquilo que já conhecem: a cidade pode ser muito mais do que é hoje.
É necessária uma visão de futuro, nova e alternativa, capaz de fazer Beja avançar. É necessário que a Câmara Municipal esteja empenhada em trazer investimento para a cidade, de forma a garantir qualidade de vida para todos e poder fixar a população. É necessário pensar num futuro além da estagnação, num futuro em que as oportunidades que a cidade oferece são valorizadas. Nas eleições autárquicas, a coligação “Beja Consegue”, encabeçada pelo Nuno Palma Ferro, oferece este projeto de futuro.
Nas eleições autárquicas, os bejenses serão confrontados com três visões: aqueles que deixaram Beja no seu pior, aqueles que agora estão satisfeitos porque acham que a cidade poderia estar pior, e aqueles que, como o Nuno, sabem que Beja consegue ser melhor.
Despeço-me desejando muita saúde e ânimo aos ouvintes e à equipa da Rádio Pax.

Leonor D’Argent

Assessora Parlamentar do Deputado da Iniciativa Liberal