PCP denuncia “situação insustentável da ferrovia”

O PCP vem em nota de imprensa denunciar o que diz ser “a dramática degradação que vive o sector dos transportes públicos em particular o sector do transporte ferroviário”.

De acordo com os comunistas, o “serviço público de transporte não responde às necessidades das populações”, algo que no entender do PCP, “torna-se um factor de forte condicionamento à mobilidade, incentivando o recurso ao transporte individual e acentuando as assimetrias regionais”.

O mesmo documento relembra a “necessária e rápida intervenção” nos serviços ferroviários, que os “sucessivos Governos têm vindo sistematicamente a adiar”.

Para o PCP “não faz qualquer sentido abdicar da linha do Alentejo”. No entender dos comunista “não promover a adequada modernização da linha é mais uma forma de penalizar uma região com indicadores sociais e demográficos”.

De acordo com os comunistas, a avaria do comboio com destino a Vila Nova da Baronia, no passado dia 3 de Agosto, “colocou em risco a saúde e a vida dos passageiros” devido “às temperaturas na ordem dos 43 graus e sem nada à volta da estação que pudesse funcionar como abrigo”.

João Dias, deputado do PCP eleito por Beja disse à Rádio Pax, que o partido vai exigir esclarecimentos na audição ao Ministro do Planeamento e Infraestruturas, ao Presidente da CP e às Comissões de Trabalhadores do Sector Ferroviário. Na audição prevista “para as primeiras semanas de Setembro”, os comunistas querem ver esclarecidos assuntos, como o “estado do serviço ferroviário na linha do Alentejo” e quais as medidas “a ser tomadas” para que situações como a de dia 3 de Agosto “não se voltem a repetir em Portugal”.

O deputado acusa ainda “os sucessivos governos” de não “corrigirem a situação da linha ferroviária do Alentejo”.