PCP diz que proposta chumbada do BE “não é dirigida ao regadio de Alqueva”

O PCP vem em nota de imprensa pronunciar-se sobre “a votação da proposta do Bloco de Esquerda relativa o Programa Nacional de Regadios ao Orçamento do Estado para 2020”.

Segundo os comunistas, a “proposta de alteração, apresentada pelo Bloco (…) não é dirigida ao Regadio do Perímetro de Rega do Alqueva” nem “às culturas intensivas e superintensivas em concreto”.

Para o PCP “trata-se de uma proposta genérica dirigida à prática de monocultura, que a ter sido aprovada resultaria em implicações nas mais diversas regiões e produções do país (…)”.

João Dias, deputado do PCP eleito por Beja disse à Rádio Pax que “é habitual e histórico no Bloco de Esquerda e nos seus partidos fundadores, [que o] PCP [seja] o foco e o alvo político da sua acção”.

Segundo o deputado, “o PCP detém um longo historial de intervenção em defesa do Alentejo, de combate às culturas intensivas e superintensivas no Alqueva e, ao contrário do Bloco, apresentou neste orçamento do estado uma proposta de alteração dirigida às culturas intensivas e superintensivas que foi rejeitada”.

Recorde-se que o BE avançou, esta semana, que a proposta, apresentada para travar o investimento público em regadio destinado a sistemas agrícolas de monoculturas neste Orçamento do Estado, foi chumbada com os votos contra do PCP, PS, PSD, CDS e IL.

Em comunicado enviado às redacções, o BE referiu que o Orçamento do Estado “prevê mais de 100 milhões de euros para executar o Plano Nacional de Regadio, onde o Governo contempla a expansão de mais 50 mil hectares de regadio no Alentejo com as águas do Alqueva”.