PCP “rejeita manobras de diversão” e exige “seriedade” ao PS

A DORBE do PCP não compreende a justificação do Governo relativamente ao atraso na abertura do troço da A26 entre Grândola e Santa Margarida do Sado.

Em resposta a uma questão dirigida pelo Grupo Parlamentar do Partido Comunista, o Governo justificou o encerramento do troço, já concluído, com problemas na conclusão da praça de portagens.

A DORBE do PCP vem em nota de imprensa dizer que “esta é uma desculpa insustentável, não se aceitando que num projecto desta natureza não tenham sido prevenidas estas situações”.

Miguel Ramalho, membro da DORBE do PCP considera “inaceitável a postura do Governo que prefere que este troço, numa distância de 12 Kms, concluído há já bastante tempo, esteja encerrado sem qualquer uso para os utentes”.

Para o mesmo responsável, as obras não podem estar “condicionadas” pelo calendário eleitoral.

Quanto às recentes declarações do presidente do grupo parlamentar do PS sobre a elaboração, até final do ano, do projecto de electrificação da linha entre Casa Branca e Beja, o executivo da DORBE do PCP frisa que “o PS foi o único que votou contra, na Assembleia da República, medidas que tinham em vista assumir como prioridade a requalificação da linha férrea entre Casa Branca e Beja, incluindo a sua electrificação”.

O executivo da DORBE do PCP rejeita o que diz serem “manobras de diversão da opinião pública em vésperas de ano eleitoral” e exige “seriedade, eficácia e respeito pela população nas opções políticas de desenvolvimento para a região”.