Santana Lopes considera que metas orçamentais não podem comprometer desenvolvimento

Pedro Santana Lopes “congratula-se” com o défice de 2017 inferior a 1,3%, anunciado pelo Primeiro Ministro António Costa.

Contudo, o candidato à liderança do PSD considera que o governo, quando anuncia os défices mais baixos da história da democracia “deve olhar um pouco para aquela que é a realidade do país”.

O antigo Primeiro Ministro recomenda mesmo a António Costa que olhe para as regiões do interior como Beja onde há “necessidade de mais apoios para os agricultores” afectados pela seca e onde é necessário avançar com projectos, como a electrificação da linha ferroviária, o  que “permitiria que a produção feita neste distrito tivesse um escoamento mais fácil”  e contribuiria para a “viabilização de infra-estruturas como o aeroporto de Beja”.

De acordo com Santana Lopes, “há uma série de matérias que estão por resolver no país e que contribuem para que haja um défice tão baixo”.

Em seu entender “o país precisa de uma governação que seja capaz, para além de cortar na despesa, potenciar o crescimento acima da média europeia”.

Pedro Santana Lopes falava aos jornalistas, ontem, após o jantar realizado com mais de uma centena de militantes, num hotel na cidade de Beja.