Sindicato da PSP congratula-se com ‘bodycams’ nos uniformes de polícias

O presidente da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) congratulou-se pela aprovação da proposta da nova lei que vai permitir ‘bodycams’ nos uniformes de polícias, salientando que a medida já vem atrasada quase duas décadas.

A proposta da nova lei da videovigilância, aprovada, na passada quinta-feira, em Conselho de Ministros, vai permitir que os polícias passem a usar câmaras nos uniformes, as chamadas ‘bodycams’, revelou o secretário de Estado Adjunto e da Administração Interna.

Para o governante, as ‘bodycams’ são “uma peça fundamental” na atuação das forças de segurança e na “proteção dos direitos fundamentais dos cidadãos.

Já Paulo Santos, presidente da ASPP/PSP revela que a proposta da nova lei da videovigilância é vista com “agrado”, uma vez que é um tema “pertinente” para o setor e que vai contribuir para uma maior segurança dos polícias”.

Além disso, o responsável realça que irá permitir, igualmente, “um maior escrutínio, naquilo que são as ocorrências policiais” que diz serem “muitas vezes criticadas, por falta de dados, por parte da opinião pública”.

Paulo Santos diz, ainda, o “diploma cumpriu todos os pressupostos legais e tudo aquilo que está enquadrado em termos de proteção de dados”.

As “bodycams”, pequenas câmaras de vídeo incorporadas nos uniformes dos agentes da PSP, têm sido um dos instrumentos reivindicados pela polícia e alvo de debate, nomeadamente, na sequência de alguns casos mediáticos em que imagens de operações policiais são divulgadas através de telemóveis.