Terras sem Sombra leva “embaixada” do Alentejo à Hungria

O Festival Terras sem Sombra vai, a partir de hoje, mostrar o potencial artístico e natural do Alentejo, na capital da Hungria, em Budapeste.

A entidade promotora do Festival anuncia a presença de uma “verdadeira embaixada” cultural e comercial, naquele país, sob os “auspícios” da AICEP, da Embaixada de Portugal, da Agência Regional de Promoção Turística do Alentejo e da Câmara de Comércio Luso-Húngara.

Autarcas, artistas e empresários integram a comitiva de 82 pessoas.

A agenda tem vários pontos altos. Desde logo a conferência de imprensa num dos sítios mais emblemáticos da cidade, o Instituto de Musicologia da Academia Húngara das Ciências. Em paralelo, decorrem sessões de trabalho entre empresários portugueses e húngaros. O turismo, o vinho, o azeite, as conservas, a fruta e a cortiça são algumas das prioridades.

A Academia Liszt, uma das mais prestigiadas universidades de música da Europa, acolhe, no teatro da sua sede histórica, um concerto de Cante Alentejano, com a actuação dos Cantadores do Desassossego.

Além de sessões no Parlamento Nacional e no Município de Budapeste, o programa inclui ainda a oferta de sobreiros ao Jardim Botânico da cidade e a homenagem a dois diplomatas portugueses, o embaixador Sampaio Garrido e o encarregado de Negócios, Teixeira Branquinho, que salvaram milhares de judeus húngaros, atribuindo-lhes passaporte luso.

José António Falcão, director do Festival, sublinha que se trata de uma “oportunidade única” de promover o Alentejo como “destino de arte e natureza”.

O Festival Terras sem Sombra trabalha com a Hungria desde 2011.

Esta parceria está simbolizada pela árvore, chamada “Hungria”, que voluntários plantaram, nesse ano, em Quintos. A deslocação a Budapeste assinala o estreitar de laços com a Academia Liszt, “visando uma cooperação a longo prazo com esta instituição universitária”, adianta José António Falcão.

Em breve poderá ser desenvolvido um projecto de salvaguarda da abetarda, espécie em risco e que tem nas planícies do Alentejo e da Hungria o principal habitat.

A “embaixada” do Alentejo vai estar na Hungria até ao próximo sábado.