Utilizadores da Casa da Cultura de Beja querem horário mais alargado

Um conjunto de monitores, alunos e utilizadores da Casa da Cultura estão a fazer circular um abaixo-assinado com o objetivo de alargar o horário de funcionamento do espaço.

No comunicado enviado às redações os utilizadores do espaço dizem “não compreender” porque motivo a Casa da Cultura “tenha passado a encerrar às 17h30 e que se interrompam os ateliês durante os meses de Junho, Julho e Agosto”, numa altura, em que já terminaram “as medidas de confinamento” e o espaço está “aberto ao público”.

Os utilizadores referem que, os “ateliês da Câmara estão a funcionar (madeira e cerâmica, durante o expediente)” e que não encontram “razão para que não se realizem em horário pós-laboral os cerca de 20 ateliês que se realizavam, respeitando necessariamente as regras impostas pela DGS (como sucede com os ateliês de madeira e cerâmica)”.

Simão Matos, membro do atelier de banda desenhada e ilustração disse à Rádio Pax que com a Casa da Cultura a encerrar às 17h30 “não se sabe se os atelieres [que funcionam em horário pós- laboral] vão continuar ou não”.

O comunicado refere que “a um dos monitores foi dito que teria que submeter o seu ateliê à apreciação da Chefe de Divisão, em Setembro, para ser avaliada a sua continuação ou não”.

“Candidatar ateliês que são dados neste espaço há tantos anos (sempre com benefícios para os utentes e para o município) é uma situação que nos parece altamente injusta e que demonstra alguma falta de confiança no nosso trabalho. Não nos parece correta esta atitude”, salienta.

Os monitores, alunos e utilizadores da Casa da Cultura pedem ao presidente da Câmara de Beja e aos Vereadores que abram o espaço “em horário pós-laboral no mês de Julho e possibilitem o acesso ao espaço em Agosto (…)”.