Velocidade, álcool e cinto de segurança na mira da GNR

Desde quinta-feira que os militares estão a efectuar patrulhamento e fiscalização rodoviária, com particular incidência nas vias mais críticas de cada área de intervenção.

Combater a sinistralidade rodoviária, regular o trânsito, garantir o apoio a todos os utentes das vias e proporcionar-lhes uma deslocação em segurança são os principais objectivos da Operação.

Por todo o território nacional cerca de 4 mil e 500 militares dos Comandos Territoriais e da Unidade Nacional de Trânsito estão particularmente atentos à falta de habilitação legal para conduzir, à condução sob a influência de álcool ou drogas, à não utilização do cinto de segurança e ao excesso de velocidade.

A GNR prevê para estes dias um “aumento significativo do tráfego rodoviário”. Reduzir a velocidade nas localidades, especial atenção aos peões e ciclistas e o uso do cinto de segurança em qualquer veículo são alguns dos conselhos deixados pela Guarda Nacional Republicana.