Vítor Silva: O envelhecimento do interior

Nenhum território tem futuro sem pessoas. Pessoas em idade para trabalhar e que tenham emprego.

Vem isto a propósito de uma notícia que li na imprensa e que dá conta que em cerca de um quarto dos concelhos do país há mais reformados que trabalhadores no activo. São concelhos de Trás-os-Montes, Beira Interior e Alentejo. Este é o retrato de um Portugal envelhecido e sem capacidade endógena de inverter a situação.

Todos os sucessivos governos conhecem o problema e prometem combatê-lo, mas entre o que dizem e o que fazem vai um abismo. Aqui na nossa região, desde o advento da democracia com o 25 de Abril de 1974, a única coisa que se fez importante com o impulso do poder central foi a barragem de Alqueva e o regadio que lhe veio associado. O IP8 demorou uma eternidade a ser requalificado. De resto, nada. Poucas dezenas de quilómetros de ferrovia electrificada foram adiados sabe-se lá para quando. Uma dúzia de quilómetros de autoestrada a ligar ao nó de Grândola Sul, completada há quase um ano e meio, está por abrir, sabe-se lá porquê.

O que acontece é que este Portugal envelhecido e despovoado não dá votos e por isso pouco conta para a formação de maiorias na Assembleia da República, capazes de levarem à formação de um governo. Tome-se o exemplo do distrito de Beja que só elege três deputados.

Uma coisa é certa. Não é possível inverter esta situação sem que isso seja um desígnio nacional. E a solução não passa por políticas de incentivo à natalidade nestes territórios em processo de despovoamento, pois que velhos não fazem filhos.

Este é um assunto que já abordei noutras ocasiões e a que terei ocasião de voltar. Mas aqui recordo sinteticamente o que é a minha opinião. A solucão tem que assentar em dois eixos estratégicos: Um deles que tenha como objectivo a fixação das pessoas que ainda vão nascendo nesses territórios e que as impeçam de os abandonar quando entrarem na idade activa. O outro eixo tem que ter o objectivo de atrair pessoas de fora, sejam elas portuguesas ou de outros países, sejam eles da União Europeia ou não.