Vítor Silva: Um festival que enriquece o Alentejo

Durante muito tempo a imagem que o Alentejo projectou para o exterior do seu território, foi a de uma região atrasada, parada no tempo, agarrada às suas tradições, embora com uma autenticidade única.
No entanto, desde há uma quinzena de anos que essa imagem tem vindo progressivamente a desvanecer-se, em favor de uma outra em que se revela uma região cada vez mais dinâmica, investindo na qualidade, como é o caso dos vinhos, dos azeites e de uma grande variedade de produtos agrícolas, hortícolas e frutícolas. Também na actividade turística o Alentejo deu um salto enorme, sendo hoje considerado em todo o país como uma região magnífica, o mesmo acontecendo em cada vez mais mercados além-fronteiras. Igualmente a actividade cultural no território tem experimentado um incremento muito significativo, tanto no que diz respeito à quantidade como à qualidade. E tudo isto sem que a autenticidade do Alentejo, sua imagem de marca, tenha sido minimamente beliscada.
É neste patamar de qualidade que se situa o Festival Terras Sem Sombra.
Pela sua natureza descentralizada,o Festival tem levado a muitas populações locais, desde a sua primeira edição em 2003, um tipo de música a que elas não costumam ter acesso directo. Mas desde sempre que os seus organizadores tiveram outras ambições que não limitassem o seu alvo à região e ao país e por isso lhe imprimiram uma matriz internacional. Internacional pelos artistas que nele têm participado, pelos diferentes países que com ele têm colaborado e pelos públicos que tem captado.Além disso, hoje em dia as actividades do Festival já não se limitam somente à música. A par com os eventos musicais, o Festival preocupa-se com o património e com a biodiversidade,levando a cabo um conjunto de acçõesem sua defesa.
O crescente reconhecimento nacional e internacional do Festival tem contribuídopara a imagem que o Alentejo vai projectando para além dos seus limites geográficos, seja em Portugal,seja no estrangeiro. Uma imagem de modernidade, onde acontecem coisas que são excelentes em qualquer parte do mundo.
A 14ª edição do Festival Terras Sem Sombra iniciou-se no fim-de-semana passado na Vidigueira e em Vila de Frades. Até ao princípio do Verão vai percorrer o Baixo Alentejo e dar um saltinho até Elvas. Se me é permitido um conselho aos ouvintes, vão assistir e participar. Não terão muitas oportunidades de ver e ouvir algo de tão belo.