13°C
Clear sky

Beja: Paquistanês coloca na rua quarenta timorenses

Beja: Paquistanês coloca na rua quarenta timorenses

Quarenta imigrantes (39 homens e 1 mulher), oriundos de Timor-Leste, foram, no final da semana passada, despejados da casa onde habitavam, na localidade de Cabeça Gorda, concelho de Beja. O imóvel é propriedade de um empresário paquistanês que contrata e arrenda casas para imigrantes, no Baixo Alentejo, desde 2018.

Depois de ter conhecimento da situação, a Segurança Social encaminhou os timorenses para a antiga Casa do Estudante, em Beja, agora gerida pela Cáritas Diocesana de Beja.

A Rádio Pax entrou em contacto com o empresário para tentar perceber as razões que o levaram a pôr na rua estas pessoas. Evitando esclarecer a situação, adiantou apenas que as quarenta pessoas “saíram porque quiseram”. No entanto, e segundo fonte próxima da Segurança Social, o facto de ter havido uma denúncia a informar que era mais um caso de “violação dos direitos laborais” e que a casa “não tinha quaisquer condições de habitabilidade” para hospedar cinquenta e oito imigrantes, entre timorenses, senegaleses e indianos, poderá ter contribuído para esta decisão.

Em menos de um mês repete-se este cenário na Cabeça Gorda. Recorde-se que, em julho passado, 28 imigrantes de Timor-Leste, que também vieram para o Alentejo com promessas de trabalho que nunca foram cumpridas, estavam sem contrato de trabalho e a residir num espaço sem as mínimas condições.

A violação dos direitos dos trabalhadores imigrantes nos campos do Alentejo é uma realidade que se arrasta há anos. As entidades competentes, e o próprio governo, pouco ou nada têm feito, de concreto, para resolver a situação.

Grande parte destes homens e mulheres entram em Portugal conseguindo vistos turísticos. Muitos até de forma ilegal, mas sempre na expectativa de conseguir um contrato de trabalho digno a fazer o que os portugueses recusam fazer. Alguns acabam vítimas de trabalho escravo na construção civil ou em explorações agrícolas no Alentejo, um processo desenvolvido através de redes mafiosas de angariação de mão de obra com a cumplicidade de alguns empresários portugueses. Apesar da legislação existir, esses empresários ficam, na maioria das vezes, livres dos processos judiciais.

PUB

PUB

PUB

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn

Farmácia de serviço hoje na cidade de Beja

Publicidade

Mais Lidas

1
Ourique
Incêndio fatal em Ourique: homem perde a vida aos 62 Anos
2
Ressonância
Hospital de Beja: A espera terminou, Ressonância Magnética chegou
Devemos acarinhar os eleitores do Chega? Não! Não podemos
4
Bombeiros
Polémica nos Bombeiros de Beja: Lista rejeitada responde a comunicado da direção 
5
Odemira
Alunas de Odemira brilham em competição de ciência em Itália
6
25 de Abril
50 anos de Abril: Catarina Eufémia, um símbolo da luta antifascista
7
agricultores
Agricultores que cortaram estrada em Serpa identificados pelas autoridades
8
roubos em Beja
Semana com ameaças, agressões e roubos em Beja

Recomendado para si

23/04/2024
Câmara de Beja dispõe de sete novas viaturas ligeiras
Pobreza
23/04/2024
“Pobreza Energética em áreas rurais” é tema de webinar
Castro Verde
23/04/2024
Castro Verde abre inscrições para florir ruas
23/04/2024
Beja acolhe apresentação de livro sobre construção de cordofones
23/04/2024
Concurso de BD homenageia travessia aérea Portugal-Macau
23/04/2024
Beja é dos distritos onde mais proprietários fazem limpeza dos terrenos florestais
Beringel
23/04/2024
Beringel já tem um novo cacifo CTT Locky
Ovibeja
22/04/2024
Luís Montenegro inaugura Ovibeja