12°C
Scattered clouds

Médicos internos iniciam hoje greve de dois dias por melhores salários

Médicos internos iniciam hoje greve de dois dias por melhores salários

Os médicos internos do Serviço Nacional de Saúde (SNS) iniciam hoje uma greve de dois dias convocada pelo Sindicato Independente dos Médicos (SIM) para exigir melhores salários e a valorização profissional para efeitos de progressão na carreira.

A paralisação, que abrange pela primeira vez médicos em pós-formação para obtenção da especialidade, insere-se num quadro mais vasto de greves, em várias modalidades e regiões, promovidas pelo SIM até setembro para reclamar uma grelha salarial condigna para todos os médicos.

Segundo o SIM, os médicos internos representam um terço dos clínicos do SNS, trabalham 40 horas por semana, auferem salários baixos (cerca de 7,66 euros/hora líquidos), fazem horas extra (remuneradas e não remuneradas), são escalados “nalguns casos” como especialistas e pagam do seu bolso a sua formação “não obstante a obrigação legal do Estado/SNS em assegurá-la”.

O SIM reivindica a integração do internato médico no “primeiro patamar da carreira médica”.

A paralisação, que se prolonga na quinta-feira, coincide com a greve às horas extraordinárias dos médicos de família, que deveria ter terminado na terça-feira, mas que continua até 22 de setembro.

Os médicos já tinham cumprido três dias de greve nacional, entre 25 e 27 de julho, e dois dias de greve na região Centro, a 09 e 10 de agosto.

O SIM já emitiu um pré-aviso de greve para 30 e 31 de agosto nas regiões do Alentejo, Algarve e Açores.

Em 10 de agosto, os sindicatos dos médicos e o Governo concluíram uma quinta reunião negocial extraordinária sem chegar a acordo sobre a revisão da grelha salarial, principal item do caderno reivindicativo apresentado à mesa das negociações, iniciadas em 2022.

À saída da reunião, o secretário-geral do SIM, Jorge Roque da Cunha, disse à Lusa que não havia razões para recuar nas greves previstas até setembro, alegando que a tutela mantém uma proposta de aumento salarial de 1,6% para a generalidade das carreiras.

De acordo com o Ministério da Saúde, a proposta do Governo significa, globalmente, um aumento de 24% da massa salarial dos médicos do SNS.

Segundo a tutela, os médicos hospitalares que integrarem a dedicação plena terão um horário de 35 horas semanais, a que acrescem mais cinco horas de trabalho por semana, e um aumento salarial que corresponde a dois níveis remuneratórios, a que acresce um suplemento previsto nesse novo regime de 20%.

O SIM entende que o novo regime de dedicação plena ao SNS proposto “é pouco atraente” para os médicos dada a carga horária prevista (300 horas extraordinárias anuais).

Uma nova reunião negocial entre sindicatos e Governo está agendada para 11 de setembro.

Rádio Pax / Lusa

PUB

PUB

PUB

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn

Farmácia de serviço hoje na cidade de Beja

Publicidade

Mais Lidas

1
Ourique
Incêndio fatal em Ourique: homem perde a vida aos 62 Anos
2
Ressonância
Hospital de Beja: A espera terminou, Ressonância Magnética chegou
Devemos acarinhar os eleitores do Chega? Não! Não podemos
4
Bombeiros
Polémica nos Bombeiros de Beja: Lista rejeitada responde a comunicado da direção 
5
Odemira
Alunas de Odemira brilham em competição de ciência em Itália
6
25 de Abril
50 anos de Abril: Catarina Eufémia, um símbolo da luta antifascista
7
roubos em Beja
Semana com ameaças, agressões e roubos em Beja
8
agricultores
Agricultores que cortaram estrada em Serpa identificados pelas autoridades

Recomendado para si

20/03/2024
Equipamento de Ressonância Magnética é hoje inaugurado em Beja
01/09/2023
Moura apela à separação seletiva dos biorresíduos
01/09/2023
Ivandro sobe ao palco na “Feira Anual de Cuba”
01/09/2023
Castro Verde: “Festival Castro Mineiro” arranca esta sexta-feira
01/09/2023
Odemira promove “Setembro, uma imersão cultural”
01/09/2023
“Quinteto Quebra Tudo” e “Latin Jazz” no primeiro dia do “Be Jazz”
01/09/2023
Serpa e Vasco da Gama de Vidigueira deslocam-se ao Barreiro
29/08/2023
Executivo promove “precariedade laboral” diz CDU de Beja