Mértola entre os premiados pela Plataforma ODSlocal

Um projeto que melhora a segurança alimentar de populações carenciadas, outro que estimula o empreendedorismo de mulheres em fragilidade social e uma contribuição para reduzir o lixo marinho plástico venceram os prémios ODSlocal, atribuídos a ações promotoras da sustentabilidade.

Os prémios promovidos pela Plataforma ODSlocal visam distinguir projetos inspiradores de sustentabilidade e de boas práticas da sociedade civil e dos municípios para a concretização dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) propostos pela Agenda 2030 das Nações Unidas.

As distinções foram hoje entregues durante a conferência “Caminhos, Dinâmicas, Futuros” que decorreu em Almancil, no concelho de Loulé, distrito de Faro.

Nesta segunda edição da iniciativa foram premiados os projetos “Da Terra à Mesa Um sal(to) que nos tempera”, em Aveiro, “Conservar Afetos Femininos”, em Matosinhos, e “#fishing the plastic”, em Ovar, no distrito de Aveiro, nas vertentes “Prosperidade”, “Pessoas” e “Planeta”.

O projeto “Da Terra à Mesa – Um sal(to) que nos tempera”, apresentado pela Rede Europeia Anti-pobreza, de Aveiro, pretende intervir no sentido de melhorar a segurança alimentar de populações carenciadas, promovendo também a saúde através de uma alimentação adequada e de atividade física.

Por outro lado, o projeto “Conservar Afetos Femininos”, promovido pela associação Agir, estimula o empreendedorismo, a inovação social e o empoderamento de mulheres em situações de fragilidade social em Matosinhos (Porto).

O também premiado “#fishing the plastic”, uma iniciativa da associação Business as Nature, pretende contribuir para a redução do lixo marinho plástico, através do envolvimento da comunidade piscatória de Ovar na sua recolha e encaminhamento, e do incentivo à redução do uso de plásticos em restaurantes e bares de praia.

A Plataforma ODSlocal distinguiu também os municípios que promoveram e desenvolveram “conjuntos de boas práticas e evidenciaram um elevado grau de compromisso com a sustentabilidade local” para a concretização dos ODS.

Assim, na categoria “Melhor Prática Individual” foram distinguidos os municípios de Mértola (Beja) e do Seixal (Setúbal), com as iniciativas “À Noite no Mercado” e “Seixal ON”, respetivamente.

Os municípios de Torres Vedras e Oeiras, no distrito de Lisboa, e de Loulé, no distrito de Faro, arrecadaram os prémios do “Melhor Conjunto de Boas Práticas”.

A Plataforma atribuiu ainda menções honrosas aos municípios de Loulé, pelo projeto “Comunidade Energética Escolar” e ao de Fornos de Algodres (Guarda), pela “Monitorização da Qualidade da Água nos Fontanários Públicos do Concelho de Fornos de Algodres”.

Além dos prémios, a Plataforma entregou Selos ODSlocal, uma certificação que distingue os municípios “que evidenciam um elevado grau de compromisso com a sustentabilidade local nas categorias “Desempenhos Municipais” e “Dinâmicas Municipais”.

Na vertente “Desempenhos Municipais” foram distinguidos os municípios de Alter do Chão, Arronches, Campo Maior, Sousel (Portalegre), Arcos de Valdevez (Viana do Castelo), Cascais, Oeiras, Torres Vedras (Lisboa), Guimarães e Seia (Braga), por desempenhos de topo nos indicadores do Portal ODSlocal.

Arcos de Valdevez, Campo Maior, Castelo de Vide (Portalegre), Guimarães, Matosinhos, Oeiras, Seia, Sousel, Torres Vedras e Viana do Castelo receberam o Selo ODSlocal na categoria “Dinâmicas Municipais”, por se “distinguirem pela apresentação das dinâmicas mais positivas de evolução nos indicadores do Portal ODSlocal”.

A conferência dedicada ao tema “Caminhos, Dinâmicas, Futuros” contou com a intervenção do economista da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) Lorenz Gross, entre outros.

A Plataforma ODSlocal visa mobilizar os municípios e entidades relevantes para a concretização, a nível local, dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) propostos pela Agenda 2030 das Nações Unidas.

A plataforma resulta de uma parceria entre o Conselho Nacional do Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável (CNADS), o OBSERVA – Observatório de Ambiente, Território e Sociedade (ICS-Universidade de Lisboa), o MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente da Universidade Nova de Lisboa, e a 2adapt-Serviços de Adaptação Climática, com o apoio pela Fundação “la Caixa”.

Rádio Pax / Lusa