PCP não teve “companhia” na defesa do Baixo Alentejo

“Não Tivemos companhia. Não fomos acompanhados pela generalidade dos partidos políticos com assento parlamentar”. Jerónimo de Sousa reagiu assim à Carta Aberta subscrita por várias intuições do distrito onde são exidas soluções para os problemas das acessibilidades, da tardia conclusão do IP8 e da electrificação da linha ferroviária Beja- Casa Branca.

Na visita à Ovibeja, o Secretário-geral do Partido Comunista lembrou as questões, os requerimentos e as intervenções feitas pelo grupo parlamentar do PCP na Assembleia da República sobre matérias como as acessibilidades. O Partido Comunista lamenta que estas intervenções não tenham sido apoiadas por outros partidos.

Jerónimo de Sousa garantiu que a região “pode contar com o PCP”.

 
A Carta Aberta é subscrita pela ACOS- Associação de Agricultores do Sul, ACSTDB- Associação do Comércio, Serviços e Turismos do distrito de Beja, Cimbal- Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo, IPBeja- Instituto Politécnico de Beja e NERBE/ AEBAL- Associação Empresarial do Baixo Alentejo e Litoral.

Jerónimo de Sousa alertou ainda para a “tentação clara” de Bruxelas diminuir os apoios à agricultura portuguesa nos fundos comunitários 2020-2030. Em seu entender “é necessário investimento e apoio” para a agricultura alentejana.