População agrícola tem maior expressão no Alentejo

Os dados constam do inquérito à estrutura das explorações agrícolas 2013 do INE- Instituto Nacional de Estatística.

Segundo a mesma fonte, “nos últimos anos, verificou-se um aumento da dimensão das explorações agrícolas e uma melhoria dos indicadores laborais”. A Superfície Agrícola Não Utilizada (SANU) diminuiu cerca de 20% relativamente a 2009.

Em 2013 mais de metade das explorações nacionais (50,8%) regaram 479,8 mil hectares.

O Instituto sublinha que “o desenvolvimento do regadio no Alentejo, promovido pela infraestrutura do Alqueva, é comprovado pelo aumento de cerca 20 mil hectares da superfície regada (+10,2%) desde 2009”.

A população agrícola familiar, formada pelo produtor e pelos membros do seu agregado doméstico, quer tenham trabalhado ou não na exploração, é constituída por 674,6 mil indivíduos, o que representa 6,5% da população residente em Portugal.

“A população agrícola familiar tem maior expressão nas Regiões Autónomas e no Alentejo, enquanto em Lisboa apenas representa 0,5% da população residente”, sublinha o INE.

O Instituto frisa ainda que os produtores agrícolas singulares são os mais velhos e ainda pouco qualificados.