PS Beja acusa João Rocha de desconhecer realidade do concelho (ACT)

A acusação é da concelhia de Beja do PS e surge na sequência de declarações de João Rocha ao Jornal “Público”. A propósito dos 5 anos do aeroporto de Beja, o autarca disse que “a cidade não tem camas hoteleiras em número suficiente para alojar os passageiros de um único avião”.

Segundo o PS, Beja tem para oferecer mais de 500 camas em Hotéis a que se somam mais 200 camas em unidades de alojamento local, pousadas e turismos rurais nas freguesias urbanas. A essas 700 camas que a cidade oferece, juntam-se sensivelmente mais 300 em unidades diversas na área do Concelho mas fora da zona urbana, num total de cerca de 1.000 camas. Mais do que suficientes para alojar os passageiros de um avião.

Os socialistas entendem que “o Presidente da Câmara Municipal de Beja ao proferir uma afirmação desta natureza, desvaloriza e desconsidera por completo o esforço feito pelos empresários do ramo da hotelaria no sentido de oferecerem unidades de qualidade e pode eventualmente causar dano na imagem da cidade, desincentivando os operadores turísticos de procurar a cidade como destino de curta ou de média duração em iniciativas e roteiros que organizem”.

Paulo Arsénio, presidente da concelhia de Beja do PS, afirma que as palavras de João Rocha “diminuem a cidade”.

Em resposta às críticas socialistas, a Câmara Municipal de Beja emitiu o seguinte comunicado:

“A Câmara Municipal de Beja lamenta que, ao retirar apenas algumas referências de notícias de um jornal, colocando-as fora de contexto e enquadramento, o PS, mais uma vez, como a precisar de dizer que existe, se exponha em exercícios sem correspondência com a realidade.

A acusação, feita pelo PS, que o Presidente da Câmara “desvaloriza e desconsidera por completo o esforço feito pelos empresários do ramo da hotelaria”, contrasta com a visão que o executivo municipal tem do papel desempenhado e no que pode vir a desempenhar,  por estes empresários. O sentido da afirmação feita pelo Presidente da Câmara é o reconhecimento claro e assumido que efetivamente se quisermos crescer no sector do turismo,  precisamos de aumentar a oferta de camas no Concelho e para esse desiderato os atuais empresários da hotelaria a operar na região terão um papel fundamental.

Ao Partido Socialista, pedimos o exercício da crítica e das propostas construtivas para o desenvolvimento do nosso Concelho, nomeadamente envolver-se ativamente, junto do seu próprio governo, no esforço de viabilizar a utilização do Aeroporto de Beja, contrariando alguns interesses instalados.”