PS diz que decisão da Câmara torna cidade de Beja mais cara do que Braga

O PS/Beja considera “inaceitável” o aumento que torna Beja numa das capitais de distrito mais caras do país e na cidade do interior mais cara em termos de avaliação de imóveis.

Numa nota enviada à Rádio Pax, o PS frisa que noutras cidades, como Évora por exemplo, foram desagravados os coeficientes de localização máxima, com benefício para quem opta por comprar casa na cidade ou viver na mesma. Os socialistas lamentam que a Câmara de Beja tenha optado “por um agravamento no cálculo de localização das zonas do centro da cidade e de praticamente todos os bairros periféricos”.

O PS/Beja repudia o que diz ser “a total falta de sensibilidade do actual executivo CDU para com os moradores da cidade e do concelho de Beja”.

Os socialistas acrescentam que o município de Beja é o único o Distrito de Beja e um dos “pouquíssimos a nível nacional” a aumentar os Coeficientes de Localização. 

Para o PS/Beja,  “os munícipes proprietários de imóveis em Beja, não isentos de IMI, estão a tornar-se assim cada vez mais nos grandes financiadores da actividade lúdica e festiva da Câmara Municipal de Beja bem como de outros negócios de duvidosa eficácia autárquica”.

Paulo Arsénio, presidente da concelhia de Beja do PS, frisa que Beja perde capacidade de atrair pessoas ao torna-se numa cidade mais cara do que Braga, por exemplo.

O PS promete lutar, através dos eleitos na Câmara Municipal e na Assembleia Municipal, por um pedido imediato de Zonamento Extraordinário a fazer à Autoridade Tributária (AT), de modo a repor o anterior valor máximo vigente em Beja para imóveis afectos a habitação.

Paulo Arsénio assume o compromisso do PS em repor as taxas de localização e baixar gradualmente a taxa de IMI quando vencer a Câmara de Beja.