Regantes consideram que organizações sectoriais “têm medo”

Os representantes dos regantes, eleitos nos 22 perímetros de rega de Alqueva, que têm expressado seu desagrado por não integrarem o Conselho de Acompanhamento do Regadio de Alqueva (CAR Alqueva) já reagiram ao Comunicado emitido pela FAABA – Federação das Associações de Agricultores do Baixo Alentejo.

A Federação classificou as posições dos regantes do Alqueva de “despropositadas” e “correcta a posição do Ministério da Agricultura, quando admite que só agricultores organizados em associações ou outras estruturas similares, de acordo com o Decreto Lei que regula novas áreas de regadio, poderão integrar o CAR Alqueva”.

Num Comunicado enviado à Rádio Pax, com o título “Organizações sectoriais têm medo da nossa participação no CAR Alqueva”, os regantes dos 22 blocos de rega do perímetro de Alqueva defendem, que o Conselho de Acompanhamento, “deveria servir para debater os assuntos e os interesses de todos os regantes sem excepção, beneficiários directos e indirectos do Empreendimento de Fins Múltiplos de Alqueva”.

E adiantam “que não é normal ver organizações supostamente de defesa dos agricultores, a apoiarem com tanta veemência o Sr. Ministro da Agricultura contra os interesses dos agricultores” eleitos nos 22 perímetros de rega.

Também é muito “curioso”, segundo os regantes, “verificar que a FAABA só vem a publico falar do CAR Alqueva”.

Os regantes acrescentam que “são agricultores e sócios das organizações que fazem parte da FAABA. Como tal acham estas declarações descabidas para com os seus associados”.

“A livre organização e participação na vida pública e o direito à livre expressão são direitos consagrados na constituição Portuguesa”, conclui o Comunicado dos regantes.