Diocese de Beja e Ordem de Malta assinam protocolo de apoio aos peregrinos

Com o aumento “substancial” do número de peregrinos é necessário, segundo a Diocese de Beja, “criar condições, no terreno, para a orientação e acolhimento” dos mesmos. Nesse sentido, o Departamento do Património Histórico e Artístico tem dialogado com instituições que possam prestar apoio, ao nível local ou regional, a quem segue a pé, de bicicleta ou a cavalo não só para a Galiza, mas também para outros santuários, como Fátima, Vila ou Nossa Senhora de Aires (Viana do Alentejo). Esta cooperação envolve já diversas autarquias, paróquias, associações, corporações de bombeiros, confrarias e Santas Casas da Misericórdia.

A Diocese de Beja une agora esforços aos de outra instituição plurissecular, a Ordem de Malta, através de um protocolo. Esta Ordem tem realizado um trabalho “notável” ao serviço dos peregrinos, experiência que se pretende estender a novos territórios do Alentejo, refere a Diocese de Beja. Segundo a mesma fonte, o acordo prevê ainda a “valorização do património espiritual e material da Ordem de Malta, que assumiu uma presença muito importante no Alentejo”.

De acordo com José António Falcão, director do Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja, pretende-se “unir os esforços e “pouco a pouco, infra-estruturar melhor o caminho, para orientar adequadamente os peregrinos, para os acolher com toda a dignidade e lhes dar as condições necessárias para que, em segurança, possam continuar o seu trabalho até ao destino final seja ele Santiago de Compostela, Fátima, Vila Viçosa ou qualquer outro santuário português ou estrangeiro”.

O acordo é assinado hoje às 19h30 na igreja matriz de Santiago do Cacém.