Elevação do Cante a Património da Humanidade gera várias reacções

Segundo o município este é “o reconhecimento da importância da identidade cultural alentejana”. A autarquia “reitera a sua firme vontade de continuar a apoiar e trabalhar na divulgação, salvaguarda e dignificação do Cante Alentejano”. 

A Câmara de Moura “regozija-se com a decisão da UNESCO. Segundo o município “trata-se do reconhecimento da importância excepcional dessa genuína expressão cultural dos alentejanos, símbolo identitário de uma região e de um povo”. A autarquia considera a decisão “motivo de orgulho para os alentejanos e para todos os portugueses(…)”.

A Câmara Municipal de Vidigueira congratula-se com a decisão da UNESCO e considera que tal “reconhecimento presta homenagem a todos os alentejanos e reforça a sua importância no sentido em possa contribuir para que a região Alentejo seja ainda mais atractiva em termos turísticos, através de uma das suas mais antigas tradições culturais, como é o caso do Cante”.

O município de Serpa “congratula-se por todos os alentejanos que assim veem reconhecido o seu maior bem comum e, em particular, aos grupos corais e cantadores que, de norte a sul e na diáspora estão hoje de parabéns!”. A Câmara assegura que “vai continuar no apoio da nossa identidade cultural, através dos nossos jovens, através das nossas crianças”.

O Município de Odemira apresenta “um voto de felicitações a todos os grupos de cante alentejano e a todos os alentejanos” pois “o Alentejo está de parabéns”.

A CIMBAL também se “congratula” com o reconhecimento do Cante Alentejano como Património Cultural Imaterial da Humanidade.

A Direcção da Organização Regional de Beja (DORBE) do Partido Comunista Português “regozija-se” com a elevação do Cante a Património da Humanidade.

O PCP considera que “a decisão da UNESCO vai decerto reforçar a dinâmica, já suscitada pela candidatura – que inclui um plano de salvaguarda do cante –, de revitalização e rejuvenescimento dos grupos corais e de surgimento de outros, no Alentejo e na diáspora”.

Para a Turismo do Alentejo, “a conquista deste selo da UNESCO é, acima de tudo, uma homenagem ao Alentejo e às suas gentes e o reconhecimento da grandeza de um bem identitário e singular de um território que se qualifica e ambiciona a certificação, apostando no que é único e diferenciador”.

Ainda segundo a Entidade Regional de Turismo, “o título de Património Cultural Imaterial da Humanidade atribuído ao Cante vai permitir alavancar, nos diferentes mercados turísticos, o marketing e a promoção do destino Alentejo”.

A MODA, Associação que congrega muitos dos Grupos Corais “congratula-se” com a decisão e “saúda todos aqueles que se revêm nesta forma de expressão coral e musical, parte integrante da identidade e das tradições culturais do nosso povo.
Este reconhecimento do Cante pela UNESCO, segundo a MODA, “engrandece e orgulha a comunidade do Cante e constitui um marco histórico na vida dos Grupos Corais e dos cantadores, que são por excelência os fiéis detentores e transmissores deste património”.
A Associação considera que “este reconhecimento vira uma nova página na própria história do Cante pela enorme responsabilidade que cria não só aos Grupos Corais, como às entidades que sempre o têm apoiado(…)”.

O Instituto Politécnico de Beja (IPBeja) “partilha a satisfação” com o reconhecimento da UNESCO. O presidente do IPBeja considera que “Nada será como dantes!” e garante que “a comunidade académica continuará sempre ao serviço da região e disponível para continuar a colaborar de forma pró-activa para manter vivas as nossas tradições e contribuir para potenciar as enormes oportunidades que este reconhecimento irá trazer”.