Estruturas ligadas à cultura e às artes contestam política do Governo

“Contra o ataque à cultura! Em defesa dos apoios às artes!” é o mote da contestação.

“Defender a Cultura é uma das mais inadiáveis formas de fazer ouvir todas as vozes acima do medíocre ruído dos «mercados»”, entendem os subscritores do Manifesto.

Jorge Feliciano, presidente da direcção do Teatro Fórum de Moura e activista do Manifesto, diz que a situação que se vive na cultura e nas artes é “profundamente dramática”. O desemprego e a redução da oferta cultural são as consequências da política do Governo que investe 0,1% do Orçamento de Estado no sector, acrescenta o mesmo responsável. 

Os cortes nos apoios às artes, no Alentejo, atingem os 60%, lamenta Jorge Feliciano.