GNR de Beja: Falta de viaturas compromete segurança dos cidadãos

Há militares do Comando Territorial de Beja da GNR preocupados com a falta de condições para o desempenho do seu trabalho, principalmente, no que diz respeito à falta de veículos para efectuar patrulhas ou outras missões. Fonte da GNR garante mesmo que, “devido a esta situação, a segurança dos cidadãos está fortemente comprometida”. A mesma fonte acrescentou que “o cidadão comum não tem a mínima noção desta realidade”.

Confrontado com estas afirmações, André Ribeiro, representante no sul da Associação Socio-profissional Independente da Guarda (ASPIG), confirma a situação “degradante” do parque automóvel dos destacamentos e postos territoriais do Comando de Beja. Este responsável diz que “há viaturas paradas por falta de pastilhas de travão ou embraiagem e não há ordem de reparação, o que é ridículo”, afirma.

O Destacamento de Moura, com uma extensão territorial de cerca de 1000 Km2, tem onze Postos Territoriais e unicamente 2 viaturas operacionais. As restantes “estão encostadas há vários meses aguardando reparação”.

Odemira é o maior município português em extensão territorial com 1.800 Km2. O destacamento da GNR tem seis postos e apenas 2 veículos a funcionar. “Isto quando não está um deles parado à espera de reparação”, diz André Ribeiro. “As viaturas estão obsoletas e com milhares de quilómetros em cima”, acrescenta.

Ainda em Odemira, já houve situações de ter que sair o carro do Posto de Vila Nova de Milfontes, percorrer cerca de 50 km para ir buscar os militares de serviço no Posto de Colos e levá-los às ocorrências.

Com o parque automóvel obsoleto, André Ribeiro não compreende o facto de não poderem utilizar, para patrulhas ou outras missões, as viaturas destinadas aos comandantes dos Destacamentos.

“No dia em que acontecer algo sério a vertente operacional vai estar fortemente comprometida”, garante o representante da ASPIG. “O que ainda minimiza o problema é a dedicação dos militares”, acrescenta, convicto.

Contactado pela Rádio Pax (RP), o Coronel Ilídio Canas, Comandante da GNR de Beja, diz que “o comando está consciente da situação” e revela estar neste momento “a decorrer um processo de aquisição de viaturas”.

O Comando de Beja nega que a actividade operacional esteja comprometida devido à falta veículos.

Segundo fonte do Comando Central da GNR a que a RP teve acesso, as viaturas chegarão até ao final deste mês de Novembro.

Pormenores:
Comando Territorial de Beja tem cinco Destacamentos (Aljustrel, Almodôvar, Beja, Odemira, Moura), trinta e cinco Postos Territoriais e apenas 8 viaturas operacionais para patrulhar uma área com cerca de 10.000Km2.