Jovens socialistas defendem nacionalização dos CTT

As Federações da Juventude Socialista do Algarve, Baixo Alentejo, Évora, Viseu e Setúbal encaram com “profunda preocupação” o que dizem ser a “degradação da qualidade do serviço universal postal” e condenam, “a política de encerramento de estações de correios seguida pela Administração da empresa CTT – Correios de Portugal, S.A”.

Em nota de imprensa, as Federações consideram “grave” a pretensão dos CTT de encerrar mais 15 estações de correios, em concelhos que apenas possuem uma única estação. Se tal acontecer “passarão a existir 48 concelhos sem qualquer estação de correios, quando em 2013, antes da privatização da empresa, eram apenas 2”, alertam.

As Federações da Juventude Socialista entendem que o serviço prestado pelos CTT “é um instrumento insubstituível para a coesão social e económica dos territórios e um mecanismo imprescindível nas estratégias de desenvolvimento regional” pelo que “incitam o governo a adoptar todas as medidas necessárias para a reposição da qualidade do serviço universal postal, inclusive e se necessário, a nacionalização dos CTT”.

Luís Martins, presidente da Federação da Juventude Socialista do Baixo Alentejo olha para o encerramento de estações dos CTT como “mais um ataque às populações do interior”.