“Patrimónios do Sul” faz renascer o mundo rural

Entre música e tradição; entre comes e bebes, caminhos de hoje e de ontem, cruzámo-nos com ofícios de tempos quase imomeriais que deixam uma certa brisa de saudade e nostalgia. Foi esse sentimento que encontrámos na edição primeira da “Patrimónios do Sul”. A feira que o pavilhão de exposições Manuel Castro e Brito acolhe até Domingo.
Manuel Pica é natural do concelho de Serpa e trouxe a sua arte à feira. Este artesão, desde tenra idade que trabalha o buinho com a sabedoria de outros tempos. Aprendeu com os mais velhos que tudo fizeram para manter viva uma tradição “enraizada” nesta região.
Este artesão participa há vários anos em certames como o que por estes dias Beja recebe. Em conversa com a Rádio Pax, afirmou que, embora seja difícil preservar esta arte, “aos poucos, parece que o interesse no trabalho com buinho tem tendência em ir renascendo na alma e orgulho deste povo”, confidenciou.
Até Domingo, na Patrimónios do Sul, pode (deve) apreciar o trabalho deste e de outros homens e mulheres, filhos da região, que teimam em dar continuidade às artes herdadas dos nossos antepassados.
A não perder, mesmo.