Turistas nacionais “vão esgotar” turismo no Alentejo

No Alentejo, em fevereiro de 2021 houve 40 433 dormidas nas unidades hoteleiras. Em período homologo foram 168 mil, o que representa – face a este ano- uma descida de 127 567 dormidas na região.

Estes números resultam de uma análise aos dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE) e dão, também, conta de uma quebra de 80 por cento no número de dormidas nos hotéis do Alentejo. Em fevereiro de 2020 foram 90 271 e este ano foram 17 617.

No país, o setor do alojamento turístico registou 208,2 mil hóspedes em fevereiro de 2021, o que corresponde a uma redução de 86,9 por cento. Segundo o INE, “desde o início da pandemia, fevereiro foi o terceiro mês com maior redução do número de dormidas, tendo sido apenas ultrapassado por abril e maio” do ano passado.

Vítor Silva, presidente da Entidade Regional de Turismo (ERT) do Alentejo explica que estes números são apenas o “espelho do princípio do ano” de 2021 e recorda que os meses de janeiro e fevereiro de 2020- quando ainda não existia a presença da Sars-CoV-2 em Portugal- “foram os melhores anos de sempre” no que diz respeito “ao número de dormidas” no Alentejo. 

Para o presidente da ERT, o “primeiro trimestre deste ano está completamente perdido e com perdas impressionantes no que diz respeito ao alojamento, na região, e no país”. Apesar destas quebras, “as perdas no Alentejo são inferiores às das outras regiões do país”.

“Neste momento, a situação pandémica, em Portugal, está controlada. Já fomos o pior país da Europa, mas neste momento, somos o melhor”, portanto, “penso que se a situação não se agravar e se o processo de vacinação continuar a correr bem, é espectável que a partir de maio comecemos a ter uma retomar da atividade turística, mas, apenas para turismo interno”.

Para o Verão, “ainda que seja difícil fazer previsões”, Vítor Silva espera um “Alentejo completamente esgotado, mas, com turistas nacionais, como aconteceu no ano passado”.