Utentes de Ferreira temem “ruptura”. ULSBA emite esclarecimento

Segundo o MUSP, a saída nesta semana de uma médica para outro Centro e Saúde e a ausência de outros dois médicos em período de férias deixou muitos utentes sem médico de família. Utentes que recorrem às consultas de recursos e que, por estas serem limitadas, são encaminhados para os Serviços de Urgência do Hospital de Beja.

Com o agravamento do estado do tempo, prevê-se um aumento do número de utentes que recorrem ao Centro e o MUSP teme a ruptura dos Serviços de Saúde no concelho. A substituição imediata da médica que saiu é a solução apontada pelo Movimento.

Lourdes Hespanhol, do MUSP de Ferreira do Alentejo, fala em “muitos buracos” nos vários postos médicos das freguesias e numa “resposta insuficiente”. “Quando os utentes chegam a Beja, o Hospital está nas condições que conhecemos, porque o distrito está todo um bocadinho como o concelho”, lamenta a mesma responsável.

Em resposta a estas acusações, o Conselho de Administração da Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo (ULSBA), esclarece que uma das médicas do Centro de Saúde viu autorizado o pedido de mobilidade para um Centro de Saúde da sua área de residência.

A ULSBA adianta que a médica saiu no dia 1 de Dezembro, sendo “falsa” a afirmação do Movimento que aponta a saída a 11 de Novembro.

A Administração da Unidade Local assegura que o pedido de mobilidade só foi autorizado depois de garantida a substituição da médica. A nova profissional deverá entrar em funções “dentro de muito poucos dias e só não o fez “por problemas de índole burocrática ao nível da Ordem dos Médicos”, acrescenta a mesma fonte.

No que diz respeito aos médicos de férias, a ULSBA frisa que estavam “a usufruir de um legítimo direito”.

Por último, a ULSBA “lamenta que se continue a usar a mentira, a demagogia e a manipulação para criar nos utentes do Centro de Saúde de Ferreira do Alentejo uma situação de insegurança e intranquilidade que a estes em nada aproveita”.

(Notícia actualizada às 14 horas)