Câmara de Aljustrel suspende pagamentos à Águas Públicas do Alentejo (ACT)

Rádio Pax - 19/06/2017 - 00:00

Câmara de Aljustrel suspende pagamentos à Águas Públicas do Alentejo (ACT)

O Município de Aljustrel está “descontente” com o serviço de abastecimento de água à população do concelho da responsabilidade da AgdA - Águas Públicas do Alentejo.

Numa nota enviada às redacções, a Câmara queixa-se que desde o período em que a empresa realizou limpeza nos depósitos de água de Aljustrel, têm-se verificado carências ao nível do fornecimento de água, “havendo, inclusive, algumas zonas que ficam frequentemente privadas de água em largos períodos do dia”.

Segundo a autarquia, “actualmente, basta ocorrer uma rotura na conduta adutora ou uma avaria na estação elevatória de Rio de Moinhos para não haver abastecimento à população, visto que a AgdA não está a conseguir manter os níveis dos depósitos”.

“A resolução desta questão e a instalação de alternativas é particularmente imperiosa”, entende a Câmara.

O município considera que “se verifica um incumprimento contratual por parte da AgdA e que o mesmo deve ter efeitos imediatos, pelo que a autarquia deixará de proceder ao pagamento deste serviço” até que os problemas fiquem resolvidos.

Nelson Brito, presidente da Câmara de Aljustrel, afirma que o serviço prestado pela Águas Públicas do Alentejo é de “má qualidade”.

A empresa Águas Públicas do Alentejo (AgdA) já reagiu. Em resposta à Agência Lusa, a empresa anuncia uma intervenção imediata para resolver os problemas no abastecimento.

A empresa quer ver a situação resolvida ainda esta semana, mas classifica os problemas de “pontuais”.

A AgdA adiantou ainda à Agência Lusa que já lançou o concurso público para a realização da empreitada para "reforçar as condições de adução" de água a Aljustrel, a qual "só terá resultados após a sua execução em fins de 2018".

No imediato avança a alteração provisória de alguns equipamentos de bombagem.

COMENTE ESTA NOTÍCIA

Se as pessoas lesadas por estas empresas criadas para enriquecer uns quantos à custa do povo pagante ( que paga mais depois que as empresas apareceram) agissem em defesa própria. e se houvesse mais HOMENS como este presidente, as coisas não andavam como andam. Nunca fui comunista, mas curvo-me perante o caracter deste Senhor Presidente, Nelson Brito.

Guilherme Joaquim Figueiredo Pinto